Header Ads Widget

anigif.gif

PESQUISADORA QUE ATUA NO RN VENCE PRÊMIO INTERNACIONAL DE PESQUISA SOBRE CERÉBRO


A professora e pesquisadora Andressa Radiske venceu o Early Career Award 2022 do International Brain Research Organization (IBRO), “Organização Internacional de Pesquisas sobre o Cérebro”, em tradução livre. Ela atua no Instituto Santos Dumont (ISD), no Rio Grande do Norte. O prêmio visa destacar jovens cientistas com carreiras promissoras. Mais de 130 candidatos de todo mundo se inscrevem anualmente, mas apenas uma média de 15 são selecionados.
Divulgação/ISD

Ela pesquisou temas como a modificação e persistência de memórias de reconhecimento e aversivas motivadas pelo medo, que estão relacionadas a fobias e traumas. 

O vencedor é contemplado com financiamento de 5 mil euros para darem continuidade às suas pesquisas. Entretanto, para a pesquisadora, o valor em dinheiro não é o mais importante. “Mais do que ganhar um prêmio, é muito importante ver que o trabalho que estamos fazendo aqui, no Rio Grande do Norte, tem ganhado essa projeção e reconhecimento internacional”, afirma.

Radiske, natural do Rio Grande do Sul, possui formação em Biomedicina e também desenvolveu pesquisas no Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (ICe/UFRN). Nesse período, ela pesquisou temas como a modificação e persistência de memórias de reconhecimento e aversivas motivadas pelo medo, que estão relacionadas a fobias e traumas, temática também estudada no ISD. "Essa pesquisa tem como objetivo ajudar a entender por que memórias relacionadas a traumas, fobias e compulsões, são resistentes à modificação e menos responsivas a tratamentos farmacológicos e psicoterapêuticos", explica.

O Instituto Santos Dumont é uma Organização Social vinculada ao MEC e engloba o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra e o Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi, ambos em Macaíba.