Header Ads Widget

anigif.gif

COM DOIS GOLS DE ARRASCAETA, FLAMENGO ATROPELA GALO E AVANÇA NA COPA DO BRASIL


O "inferno" prometido pelo Flamengo após a derrota por 2 a 1 para o Atlético-MG, no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil, foi colocado em prática nesta quarta-feira, na rodada de volta. Em uma noite de atmosfera única criada por mais de 68 mil torcedores no Maracanã, o time de Dorival Júnior reverteu a desvantagem ao vencer a equipe mineira por 2 a 0, com dois gols de Arrascaeta, e avançou às quartas de final.

Dedicada em instaurar o clima de inferno na arquibancada, a torcida fez um fumaceiro em preto e vermelho que tomou todo o estádio e atrasou o início da partida em quase dez minutos.

Assim que a fumaça baixou, foi possível ler a frase "Bem-vindo ao Inferno" em um enorme mosaico. No meio de toda essa bagunça, estava o chileno Arturo Vidal, que será anunciado em breve como reforço do time rubro-negro. Ele entrou no gramado e recebeu muitos aplausos. O Maracanã recebeu, ainda, outros espectadores distintos: Cleber Xavier e César Sampaio, auxiliares de Tite na seleção brasileira.

Em campo, os jogadores do Flamengo entraram em sintonia com a torcida e infernizaram os atleticanos. A pressão foi colocada em prática desde os primeiros minutos, graças a uma boa atuação coletiva, potencializada por destaques individuais. A qualidade de passe de Everton Ribeiro aliada à movimentação inteligente de Arrascaeta, que ofereceu perigo pelos lados e pelo meio, e o bom apoio de Rodinei pela direita deixaram a defesa adversária em situação bastante complicada.

Após finalizações para fora e boas intervenções de Everson para barrar tentativas de Arrascaeta e Pedro, os dois flamenguistas se uniram para superar o goleiro atleticano aos 45 minutos. O atacante ganhou dividida contra Allan no meio de campo, avançou em velocidade e acertou uma linda enfiada de bola em direção à área, onde o uruguaio se lançou de carrinho para colocar a bola no cantinho. Após revisão da arbitragem de vídeo para checar se houve falta de Pedro, o gol foi validado.

Dominado no primeiro tempo, o Atlético começou a passar mais tempo no campo de ataque durante os primeiros minutos da etapa final, porém sem qualidade na conclusão das jogadas. Hulk, um dos principais nomes do time, mostrou nervosismo e ficou apagado com a bola nos pés. Tal dificuldade não foi solucionada, os erros persistiram e o jogo esfriou um pouco, até o momento em que o Flamengo voltou a inflamar o Maracanã. Aos 18 minutos, Thiago Maia desviou cruzamento dentro da área e Arrascaeta apareceu sozinho para concluir de peixinho. Everson chegou a defender, mas a bola já havia passado da linha, como concluiu o VAR após mais uma análise de lance decisivo.

O segundo gol fez o inferno rubro-negro ganhar corpo, e o time mineiro pareceu ter sentido a pressão. O cenário ficou ainda pior para os visitantes aos 32 minutos, já que Junior Alonso recebeu o segundo amarelo depois de cometer uma falta em Marinho e acabou expulso. Nos minutos finais, contudo, o clima foi de apreensão, até porque bastava um gol para o Atlético levar a decisão aos pênaltis. Foi aí que as bolas começaram a demorar para voltar ao gramado quando saiam pelas linhas, o que fez o árbitro adicionar mais minutos aos seis de acréscimo anunciados inicialmente. A ansiedade flamenguista se estendeu um pouco, mas o apito soou com o 2 a 0 no placar.

São Paulo x Palmeiras

A preparação do São Paulo para decidir a vaga nas quartas da Copa do Brasil com o Palmeiras foi encerrada nesta quarta-feira, com ajustes táticos, ensaios de faltas e, claro, cobrança de pênaltis. Embora tenha vencido o jogo de ida por 1 a 0, no Morumbi, o time tricolor guarda a lembrança recente da goleada por 4 a 0 sofrida na final do Paulistão deste ano e sabe que não ter a rede balançada no Allianz Parque será uma missão difícil. Por isso, uma decisão nos pênaltis é considerada bastante provável. Caso o desfecho seja esse, o lado tricolor tem boas memórias para resgatar da última disputa de cobranças com o rival.

Em 2019, durante as semifinais do Paulistão, o clássico ficou no 0 a 0 tanto na ida quanto na volta. No jogo decisivo, na arena palmeirense, os são-paulinos avançaram à final com uma vitória por 5 a 4 nas penalidades.