Header Ads Widget

anigif.gif

"NUNCA SOFRI PROCESSO POR IMPROBIDADE" DIZ CARLOS EDUARDO, SOBRE SEU HISTÓRICO POLÍTICO


“O imóvel foi alugado por menos de 30% do valor de mercado, porque essa foi a orientação que o advogado nos deu. E foi por um pequeno período de tempo, até a gente encontrar outro local para instalar a sede do partido”, explicou o pré-candidato ao Senado Federal Carlos Eduardo Alves (PDT), em entrevista exclusiva ao AGORA RN, nesta sexta-feira 17.

O ex-prefeito ressaltou ainda que não há irregularidades nas contas da Prefeitura do Natal, referentes aos anos de 2014 e 2015. O que contraria os técnicos da Diretoria de Administração Municipal do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN), que descrevem “irregularidades gravíssimas” e concluem que as duas prestações de contas precisam ser reprovadas.

“Tenho 32 anos de vida pública, nunca sofri um processo de improbidade administrativa”.

AGORA RN – Como pré-candidato ao Senado, o senhor tem percorrido o Estado. Quais são as necessidades do povo do RN?
CARLOS EDUARDO ALVES – Eu conheço bem o Rio Grande do Norte, tenho viajado metade da semana pelo interior e a outra metade, fico na cidade, porque aqui também é importante. Estou muito satisfeito, pois onde chego e onde vou, sou muito bem recebido, acolhido. Isso só faz me estimular cada vez mais a enfrentar essa luta para ser senador da Estado.

AGORA RN- Como presidente estadual do PDT, explique o motivo de o partido ter alugado o imóvel pertencente à sua esposa, a ex-secretária municipal das Mulheres do Natal, Andréa Ramalho Alves?
CARLOS EDUARDO ALVES – Veja bem, o imóvel tinha o valor de R$ 10 mil e, em um dado momento, em que a gente estava procurando um lugar para estabelecer a sede do partido, foi preciso ficar no imóvel que estava desalugado (vazio), enquanto a gente encontrava outro. Agora, estamos no Portugal Center. O imóvel foi alugado por menos de 30% do valor de mercado, porque essa foi a orientação que o advogado nos deu e foi por um período pequeno. O PDT não poderia ficar sem endereço e essa foi a única solução – por menos de 30% do valor de mercado, orientado pelo advogado e orientado pelo Diretório Nacional do partido.

AGORA RN- Porque o senhor deixou o PDT caducar no RN? Quando pretende resolver essa situação?
CARLOS EDUARDO ALVES – Burocraticamente, ele caducou, mas será renovado em breve. Não existe nenhum problema. Avise aos meus adversários que não tem nenhum problema, nem com o Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN), nem com o partido. Eles vão atrás de outra coisa, mas vão perder tempo.

AGORA RN- Por que o TCE/RN reprovou suas contas na Prefeitura de Natal, referente aos anos de 2014 e 2015? Há alguma irregularidade?
CARLOS EDUARDO ALVES – Veja bem, as contas passam pelas câmaras do Tribunal de Contas para análise. Então, muitas vezes, são dados pareceres contrários. O que cabe ao gestor? Como eu disse, peguei os auxiliares, sentei com o Tribunal de Contas e prestamos contas de tudo aquilo que o TCE está julgando. Não há nenhum julgamento finalizado, nem definitivo. O que há é um processo de julgamento onde a administração tem o direito de explicar, de esclarecer e de informar aquilo que os técnicos não estão entendendo. Aquilo que os técnicos estão achando que houve, como, por exemplo, transferências de recursos de uma secretaria para outra. Qual foi o objeto? Muitas vezes, ele (o objeto) não está no processo.

AGORA RN – O senhor tem como explicar ao TCE/RN que não há irregularidades?
CARLOS EDUARDO ALVES – Essa é a coisa mais fácil do mundo. Não tem nenhum problema, não tem absolutamente nada, as minhas contas não têm nenhum problema. Nem a de 2013, nem a de 2014. Nada. Não tem absolutamente nenhum problema. Estão em fase de julgamento, quando os gestores têm o dever e o direito de prestar os devidos esclarecimentos e, é isso que a gente tem feito.

AGORA RN – E se o senhor se tornar inelegível, por essas questões?
CARLOS EDUARDO ALVES – Não, não. Isso é um desejo político, porque a gente está em uma disputa eleitoral e eles (adversários políticos) não têm o que dizer de mim. O que eles vão dizer? Eu tenho 32 anos de vida pública, nunca sofri um processo por improbidade administrativa qualquer. Sou testado e aprovado. Onde administrei, nunca perdi uma eleição. Aqui na cidade de Natal, sempre venci com percentuais maiores do que nas eleições anteriores, então o que eles têm para dizer de mim? Eles não têm nada para dizer sobre mim. Ficam criando factoides, dizendo: ‘ah, estão reprovadas as contas’. Toda hora é um casuísmo, inventado e que à luz do dia, se explode.l