Header Ads Widget

728x90cm-CELULAR

SURFISTA POTIGUAR JADSON ANDRÉ VIBRA COM PERMANÊNCIA NA ELITE DO CIRCUITO MUNDIAL: "CONSEGUIMOS"


Surfista potiguar vence Kelly Slater na Austrália, entra no G-22 e assegura participação na segunda metade do World Surf League Championship Tour deste ano e na temporada 2023

Jadson André garantiu nesta terça-feira a permanência na elite do Circuito Mundial para o restante da temporada e também para 2023. O surfista potiguar venceu o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater, se classificou para as oitavas de final do Margaret River Pro, na Austrália, e assegurou vaga no grupo dos 22 primeiros do ranking.

- Sem palavras para este momento! Eu sei que os planos de Deus são perfeitos, e segue novamente a passagem que mudou a minha vida: 'Quem tem propósito alinhado com a vontade de Deus, não se move pela aprovação dos outros'. We made it (Conseguimos)! - comemorou Jadson em uma rede social.

WSL: Filipinho, Italo, Caio, Jadson, Samuel e Miguel Pupo avançam às oitavas em Margaret River

Para entrar no G-22, a missão do potiguar era ingrata, contra o maior surfista de todos os tempos. Por outro lado, o único título de etapa do CT de Jadson foi derrotando Kelly Slater na final, em Imbituba, em 2010. Em sua 10ª temporada seguida na elite, o surfista de Ponta Negra tinha que vencer para permanecer.

Jadson começou bem, achando uma direita boa para manobrar forte de backside e ganhar 7,43 na primeira onda. A primeira do Slater valeu 5,17, nota que Jadson igualou na segunda dele. Depois, o máximo que Kelly conseguiu foi 4,07 e o brasileiro avançou para as oitavas de final com 12,60 a 9,24 pontos. Foi a terceira vitória seguida do Jadson sobre Slater em baterias do CT, todas nas ondas de Margaret River. As outras foram na primeira fase de 2019 e na deste ano também, na sexta-feira.

Com a classificação, Jadson subiu para o 21º lugar no ranking, tirando Ezekiel Lau do G-22 e empurrando Owen Wright para a última posição na lista. O havaiano poderia recuperar a vaga no confronto seguinte, mas Zeke Lau perdeu para Jordy Smith.

O peruano Lucca Mesinas entrou na bateria seguinte, precisando passar só essa para garantir sua permanência na elite, mas seu adversário era o local de Margaret River, Jack Robinson. O australiano usou seu melhor conhecimento para pegar boas ondas e vencer fácil por 14,83 a 5,70 pontos.

Na última bateria da terça-feira, o brasileiro Deivid Silva tiraria a vaga de Owen Wright se passasse para as oitavas de final, mas não conseguiu surfar nenhuma onda no mar pesado, com séries enormes entrando em Main Break no fim do dia. O havaiano Barron Mamiya se posicionou melhor no mar e surfou quatro ondas, ganhando com tranquilidade por 11,87 a 0,13 pontos. Este resultado confirmou a permanência de Jadson André para a segunda metade do WSL Championship Tour e para a elite que vai iniciar a temporada 2023.


Jadson André derrotou Kelly Slater duas vezes no Margaret River Pro — Foto: Aaron Hughes/WSL

A primeira bateria das oitavas de final do Margaret River Pro está programa para 7h da quarta-feira na Austrália, 20h desta terça no Brasil, com transmissão ao vivo do Sportv e tempo real no ge.

Confira o ranking do Circuito Mundial de Surfe

Oitavas de final - Margaret River Pro

John John Florence (HAV) x Kolohe Andino (EUA)
Callum Robson (AUS) x Griffin Colapinto (EUA)
Samuel Pupo (BRA) x Matthew McGillivray (AFR)
Italo Ferreira (BRA) x Miguel Pupo (BRA)
Filipe Toledo (BRA) x Nat Young (EUA)
Caio Ibelli (BRA) x Ethan Ewing (AUS)
Jordy Smith (AFR) x Jadson André (BRA)
Barron Mamiya (HAV) x Jack Robinson (AUS)