Header Ads Widget

728x90cm-CELULAR

PACIENTES RELATAM RETORNO DOS SINTOMAS DA COVID-19 APÓS TRATAMENTO COM PAXLOVID


À medida que o tratamento antiviral oral para Covid-19 da Pfizer se torna mais amplamente utilizado nos EUA, com quase 3 milhões de caixas disponibilizadas às farmácias, alguns pacientes relatam que os sintomas da doença retornaram após as melhorias experimentadas com o tratamento da doença.

Recomendado para tratar casos leves de Covid, o Paxlovid, composto pelos medicamentos antivirais nirmatrelvir e ritonavir, teve seu uso aprovado pelo Ministério da Saúde no Sistema Único de Saúde (SUS) do Brasil no último domingo. É o primeiro medicamente desse tipo autorizado no país

Veja o que se sabe até o momento sobre esses rebotes dos sintomas.

Quão comum é a recorrência dos sintomas de Covid logo após o tratamento com Paxlovid?

Dezenas de indivíduos relataram rebotes de sintomas da Covid nas redes sociais ou à agência de vigilância sanitária dos EUA após tomar o Paxlovid, mas a Pfizer sugere que a experiência é rara.

Segundo a farmacêutica, dos mais de 300 mil pacientes que estão sendo monitorados após receberem o tratamento de cinco dias, 1 em 3 mil (0,03%) relatou uma recaída após tomar as pílulas.

Essa é uma taxa menor do que a Pfizer viu em seu ensaio clínico, onde cerca de 2% dos participantes experimentaram uma recuperação nos níveis virais após a conclusão do tratamento.

O estudo da Pfizer sugeriu que as recaídas podem ser uma tendência da Covid longa, pois um número semelhante daqueles que receberam placebo também teve um rebote nos níveis de carga viral.

Por que essas recaídas estão acontecendo?

A causa ainda não é conhecida. Alguns médicos sugeriram que, como o medicamento ataca o vírus rapidamente, as respostas imunes de alguns pacientes à Covid podem ser silenciosas, permitindo que o vírus se replique novamente. Outros disseram que pode haver uma característica comum ainda não identificada entre aqueles que sofrem um rebote.

O diretor de desenvolvimento da Pfizer, William Pao, disse que pode estar relacionado ao próprio vírus, não ao Paxlovid, já que o fenômeno foi encontrado entre pacientes que receberam o medicamento e aqueles que não o fizeram.

A Food and Drug Administration (FDA), órgão semelhante à Anvisa no Brasil, também disse que não está claro se os rebotes estão relacionados ao Paxlovid.

Devo tomar um segundo ciclo de Paxlovid após um rebote?

Não, de acordo com a FDA. A agência disse na semana passada que não há evidência de benefício para tomar um segundo ciclo de cinco dias das pílulas ou para um ciclo de 10 dias.

A Pfizer sugeriu o contrário. O presidente-executivo, Albert Bourla, disse que pacientes e médicos disseram à empresa que um segundo ciclo de cinco dias de Paxlovid eliminou o vírus. Mikael Dolsten, diretor científico da empresa, disse recentemente que alguns pacientes imunocomprometidos “podem carregar esse vírus por muito, muito tempo” e podem precisar fazer ciclos ou um por um período prolongado.

A FDA enfatizou que os rebotes não alteram a capacidade do Paxlovid de reduzir hospitalizações e mortes.

Quem é elegível para o Paxlovid?

A elegibilidade para o Paxlovid difere por país. No Brasil, ele é indicado para quadros leves e moderados, que não estejam hospitalizados nem precisem de oxigênio suplementar, mas com alto risco de complicações, caso de pessoas acima de 65 anos ou com sistema imunológico comprometido. Também é preciso ter um teste positivo para Covid-19.

O tratamento funciona contra a Covid longa?

O Paxlovid não está autorizado a tratar a condição persistente e debilitante conhecida como Covid longa. No entanto, houve estudos de caso recentes de pacientes com Covid longa que experimentaram alívio dos sintomas após tomar Paxlovid.