Header Ads Widget

728x90px

Vendas crescem 3,8% em novembro e RN tem melhor resultado desde o início da pandemia


Atividades econômicas alcançaram um valor de R$ 395 milhões movimentados por dia no mês, com destaque para o comércio varejista, que teve alta de 8,2%.

O volume de vendas dos setores econômicos do Rio Grande do Norte cresceu 3,8% na comparação com o outubro. Ao todo, todas as atividades econômicas alcançaram um valor de R$ 395 milhões por dia em média, o melhor resultado desde o início da pandemia. Em outubro, esse valor foi de R$ 380 milhões.

Os dados estão no 25° Boletim Mensal da Receita Estadual, que reúne os principais indicadores econômicos do RN e que foi divulgado pela Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN) nesta sexta-feira (10).

Segundo o boletim, o comércio varejista foi o setor que teve o maior crescimento, com alta de 8,2% e vendas diárias de quase R$ 100 milhões. Ao todo, segundo a SET, foram feitas 28,5 milhões de operações de venda no comércio varejista.

O atacado foi o segundo segmento que mais contribuiu para a economia potiguar, com um aumento nas vendas de 7,8% em comparação com outubro. Isso é referente a vendas da ordem de R$ 63,7 milhões diários.

Já a indústria cresceu 5,7%, em função de um faturamento médio diário de R$ 55 milhões em relação a outubro.

Arrecadação

Segundo a Secretaria Estadual de Tributação, essa movimentação levou o estado a arrecadar em novembro R$ 689 milhões, referentes ao recolhimento do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e Imposto sobre Transmissão “Causa Mortis” e Doação de Quaisquer Bens e Direitos (ITCD).

O valor total de receitas é 11% maior que o recolhido em novembro de 2020.

Esse aumento foi proporcionado sobretudo pela arrecadação de ICMS, que é o principal tributo que compõe as receitas estaduais.

O RN recolheu o maior volume desse imposto nos últimos 12 meses, R$ 671 milhões – 13% a mais que em novembro do ano passado, quando foram recolhidos R$ 593 milhões.

Praticamente todos os setores tiveram alta na arrecadação de ICMS, exceto o segmento de energia elétrica, que caiu de R$ 79 milhões para R$ 75 milhões de outubro para novembro.