Header Ads Widget

anigif.gif

Policial militar do RN é punido com 11 dias de detenção por enviar 'nudes' a mulher pelas redes sociais

 


Segundo resultado de sindicância, imagens levam a crer que homem fez imagens em ambiente militar e com parte do fardamento.


Um sargento da Polícia Militar do Rio Grande do Norte deverá ser punido com 11 dias de detenção por ter usado suas redes sociais para enviar "nudes" a uma mulher, que denunciou o caso à corporação.

Segundo o resultado de sindicância publicado no Boletim Geral da PM da última segunda-feira (27), e ao qual o g1 teve acesso, as informações prestadas pela denunciante e as mensagens de texto e vídeos anexos ao processo levam a crer que o militar usou um ambiente militar, "inclusive com parte do fardamento, para praticar atos obscenos através das redes sociais".

As mensagens teriam sido enviadas pelo sargento entre os anos de 2018 e 2019. Durante a sindicância, o militar também foi investigado por fazer ameaças indiretas a um subordinado pelas redes sociais.

A defesa do sargento, feita por um capitão da PM, alegou que não existem "provas materiais robustas, concretas e irrefutáveis" de que o militar tenha cometido ameaça ou assédio contra a denunciante e considerou que o fato de conversarem por aplicativos de redes sociais indica que ambos consentiam em participar das conversas.

O defensor ainda declarou que, quando um dos envolvidos na conversa não quer, tem a opção de bloquear o interlocutor indesejado pelos aplicativos.

Porém, o oficial encarregado da sindicância concluiu que o sargento praticou ato que atenta aos padrões de conduta na PMRN e "deverá ser punido à luz da legislação castrense, observando a existência de indícios de crime".

O militar foi enquadrado por concorrer para a discórdia ou desarmonia ou cultivar inimizade entre camaradas; procurar desacreditar seu igual ou subordinado; ofender, provocar ou desafiar seu igual ou subordinado; e ofender a moral por atos, gestos ou palavras.

"Restou configurada transgressão disciplinar, conforme arquivo de mídia anexo (...) enviado a comunicante via rede social WhatsApp onde aparece expondo partes intimas. Atitude incompatível para um policial militar e que contraria a disciplina e normas regulamentares devendo ser responsabilizado com devida sanção", considerou o tenente responsável pela apuração.