PUBLICIDADE

728x90px

Presidiária do RN escreve livro sobre crime em que mandou matar o marido


A ex-comerciante Amanda Karoline, hoje com 29 anos de idade, foi condenada à prisão por ser a mandante do assassinato do marido, homem com quem conviveu por quase uma década. O crime correu em agosto de 2016 no conjunto Aquarela, em Macaíba, cidade da Grande Natal, e teve grande repercussão na época.

A presa conta que a decisão de mandar matar o marido foi motivada pelos “constantes atos de violência física e sexual” que sofria. No livro, ela relata detalhes e a forma como orquestrou a ideia do crime contra o então companheiro.

Amanda Karoline admitiu ter pago R$ 5 mil e fornecido a arma ao pistoleiro para matar o marido, o crediarista Romário Barbosa da Cunha, que tinha 34 anos. Em sua defesa, ela disse que apanhava de facão e cinto e que era obrigada a fazer sexo com outros homens e mulheres na frente dele.

Segundo ela, foram esses os motivos que a levaram a contratar alguém para matar Romário no momento em que ele saísse para o trabalho. O crime aconteceu na porta da casa deles, na manhã de 18 de agosto de 2016. Após os disparos, Amanda ainda levou o marido para uma UPA, mas ele não resistiu.

Ela foi condenada a 19 anos de prisão, como mandante do assassinato do crime, e já cumpriu 5. Amanda conseguiu uma progressão de pena em função de trabalhos prestados na unidade prisional onde segue detida. A expectativa é que ela saia para o regime semiaberto em maio de 2022.

Após chegar ao presídio, a ex-comerciante tomou gosto pela leitura e aderiu à um projeto que existe dentro da unidade, intitulado “Resgatando Vidas”. Com isso, conseguiu apoio para escrever um livro, contando os motivos pelos quais ela chegou ao sistema prisional.

A primeira edição do livro, chamado “De Tambaba a Prisão”, está em fase de revisão e impressão na editora e será lançado no ano que vem. Quando lançar o primeiro, ela pretende lançar mais 2 – o segundo já está em fase de correção.

A palavra ‘Tambaba’, que intitula a obra, é referente a praia situada no município de Conde, litoral sul da Paraíba, que fica a cerca de 30 km da capital João Pessoa. No local, que é conhecido principalmente pela área naturista, sendo a primeira praia do Brasil a permitir o naturismo por lei municipal, Amanda era obrigada pelo marido a praticar atos ilícitos.NOTÍCIAS RELACIONADAS