PUBLICIDADE

728x90px

Mirando 2022, Lula se encontra com lideranças internacionais


Ex-presidente visita Alemanha, Bélgica, França e Espanha

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) iniciou, nesta semana, uma série de encontros com líderes internacionais. Mirando uma possível candidatura à presidência nas eleições de 2022, o petista visita Alemanha, Bélgica, França e Espanha.

+ Ipec: na corrida de 2022, Lula aparece em 1º com 48%; Bolsonaro tem 23%

Neste domingo (14.nov), Lula publicou fotos em seu perfil oficial no Twitter ao lado do vice-presidente da Comissão Europeia e Alto Representante da União Europeia para Relações Exteriores, Josep Borrell.
De acordo com o ex-presidente, Borrell relatou "preocupação com a urgência climática e com a viabilização do acordo Brasil União Europeia", e defendeu uma multipolaridade política, tecnológica e comercial. "Combinamos de seguir em diálogo e trocando impressões", acrescentou Lula.

O petista também se encontrou com a secretária-geral da Confederação Sindical Internacional (ITUC - sigla em inglês), Sharan Leslie Burrow. Ela fez um relato sobre a COP26, em Glasgow, onde esteve nas últimas duas semanas como representante dos trabalhadores. "Nós precisamos da sua voz no cenário global", disse a dirigente a Lula.

Na 6ª feira (12.nov), o ex-presidente se reuniu com o vencedor das eleições alemãs de setembro, Olaf Scholz, do SPD (partido social-democrata alemão). A sigla está em processo de formação da aliança que irá substituir o governo de Angela Merkel.

No mesmo dia, Lula encontrou o presidente da Fundação Friedrich Ebert e ex-presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz. O político, que hoje preside a fundação do partido social-democrata alemão (SPD), chegou a visitar o petista quando ele estava preso em Curitiba, em agosto de 2018.

Lula também se encontrou com Yasmin Fahimi e Isabel Cademartori, deputadas eleitas pelo SPD. Eles conversaram sobre a situação política na Europa e no Brasil, diante das perspectivas de formação de um novo governo do SPD na Alemanha, que Lula apontou como "a mais recente vitória da democracia no mundo".