PUBLICIDADE

728x90px

Presidentes do TSE divulgam nota em defesa da urna eletrônica


Documento garante à "sociedade brasileira a segurança, transparência e auditabilidade do sistema"

Ministros e presidente do Tribunal Superior Eleitoral e ex-representantes da Justiça Eleitoral divulgaram uma nota pública nesta 2ª feira (2.ago) de garante à " sociedade brasileira a segurança, transparência e auditabilidade do sistema" das urnas eletrônicas.

Em 6 itens, o documento diz que as urnas eletrônicas são auditáveis em todas as etapas do processo, "antes, durante e depois das eleições". A nota explica que todos os passos podem ser acompanhados e que as urnas não entram em rede e não são passíveis de acesso remoto, por não estarem conectadas à internet.

A nota critica a volta do voto impresso, como defende o presidente Jair Bolsonaro, afirmando que a contagem pública manual de 150 milhões de votos é o retorno ao tempo das mesas apuradoras, cenários de fraudes. "O voto impresso não é um mecanismo adequado de auditoria a se somar aos já existentes por ser menos seguro do que o voto eletrônico, em razão dos riscos decorrentes da manipulação humana e da quebra de sigilo. Muitos países que optaram por não adotar o voto puramente eletrônico tiveram experiências históricas diferentes das nossas, sem os problemas de fraude ocorridos no Brasil com o voto em papel. Em muitos outros, a existência de voto em papel não impediu as constantes alegações de fraude, como revelam episódios recentes", diz a nota.