PUBLICIDADE

728x90px

Eleição suplementar: Lei da ficha limpa e a esperança de um novo para Guamaré


Eleição suplementar de Guamaré cria expectativa de um novo nome para Guamaré 

A possível eleição suplementar de Guamaré poderá ter um pleito atípico do que foi nas outras eleições.

Ocorre que a maioria dos pretensos candidatos estão com as digitais cravadas e enganchadas na peneira da lei da "FICHA LIMPA".

Com exceção de Marujo e do arquiteto e atual Secretário Arthur, os demais estão praticamente impedidos  ou concorrerão sub júdice, contabilizando Mozaniel, Adriano Diógenes, Dedé, Diva e outros mais.

Mozaniel que tem graves problemas junto ao TCE,  já pediu ao TJ que lhe conceda  o direito de uma nova defesa no processo do TCE N. 013148/2011 onde suas contas de gestão foram rejeitadas.

Adriano também tem seu nome comprometido junto ao TCE com questões de cunho administrativo nos processos: 

N° 017724/2017 

N° 001109/2019

N° 007103/2019

N° 200056/2021

Há quem aposte que de dentro do legislativo guamareense sairá um nome também para disputa, já que alguns  vereadores tem se comportados de forma independentes e sendo assim sem prejuízo de perda de mandato, a câmara poderá propor mais uma opção no novo cenário eleitoral de Guamaré.

O líder do MDB Hélio encontra-se impossibilitado em virtude do seu grau de parentesco com a atual gestão e também deverá ficar de fora.

Com base nas regras eleitorais, restam na boca do povo, Marujo e o  arquiteto e atual secretário, Arthur.

Que rufem os tambores.