PUBLICIDADE

728x90px

6º Fórum de Inclusão Social reúne mais de 600 inscritos


Alto do Rodrigues, Grossos, Guamaré, Macau, Paraú, Porto do Mangue e Tibau foram os municípios abrangidos no 6º Fórum de Inclusão Social, realizado nesta terça-feira (3) no formato remoto, e que teve mais de 600 inscritos interessados em discutir políticas públicas e propostas de ações inclusivas na região com foco na capacitação. O evento é uma iniciativa da Secretaria de Estado da Administração (Sead), por meio da Escola de Governo do Rio Grande do Norte (EGRN), e faz parte das dinâmicas previstas no Plano RN Inclusivo.

A secretária estadual da Administração, Virgínia Ferreira, destacou a importância dos fóruns e que o RN Inclusivo foi idealizado ainda no início da gestão atual, mas que agora vem se tornando uma realidade. “Esse projeto visa uma discussão entre a sociedade civil e os órgãos governamentais, para que possamos juntar os entes federativos em prol do aumento do Índice de Desenvolvimento Humano, da redução da pobreza, através da qualificação e da implementação de políticas públicas. A qualificação é uma das metas que temos, por meio da Escola de Governo. Estamos nos unindo com os municípios para compartilhar o que nós temos de bom, que é o conhecimento”, disse durante a solenidade de abertura.

Os representantes dos municípios abrangidos no 6º Fórum de Inclusão Social corroboraram a iniciativa do Plano, bem como se mostraram à disposição para solidificar as parcerias, a favor do desenvolvimento local através da capacitação. “Parabenizo o Governo pelo programa, que tem sido de grande valia, pois vem fortalecer as políticas públicas. Enquanto gestores, nós temos compromisso e responsabilidade com nosso povo, portanto temos que abraçar essa causa”, declarou a prefeita de Grossos, Cinthia Sonale.

A prefeita de Paraú, Maria Olímpia, parabenizou a iniciativa do evento e agradeceu pela oportunidade não só das autoridades em manifestar o que o município necessita, mas também da população contribuir com proposições de melhorias para a região. “Ficamos felizes por mostrar a realidade do nosso município e as nossas necessidades, assim como pela oportunidade também da população poder dizer o que é melhor, o que precisa, para que possamos cada vez mais ter uma cidade mais justa e digna de se morar”.

Também participaram da cerimônia de abertura o secretário municipal de Planejamento e Gestão de Porto do Mangue, Francisco Flávio Felipe; a secretária municipal de Educação e Cultura de Guamaré, Maria do Socorro Aguiar; o chefe de gabinete da Prefeitura de Tibau, Luiz Nazareno de Souza; o consultor legislativo de Alto do Rodrigues, Navison Baracho; o diretor-geral da Escola de Governo, João Emanuel Evangelista; a diretora de Capacitação, Rejane Oliveira; e a assessora técnica da EGRN e coordenadora do Plano RN Inclusivo, Lúcia Pessoa.

Demandas de capacitação

A programação do 6º Fórum de Inclusão Social iniciou às 8h com transmissão via canal do Youtube da Sead. Após a solenidade de abertura, o diretor da Escola de Governo, João Emanuel Evangelista, ministrou o webinário sobre o tema "Premissas da Cidadania Ativa e Desenvolvimento Local". O professor falou sobre como esses segmentos possibilitam de forma conjunta a elevação dos índices socioeconômicos e educacionais nos municípios, potencializando as regiões, visando a promoção da justiça social, na qual o poder é democratizado e a riqueza socialmente melhor distribuída.

“O desenvolvimento local permite que se criem alternativas coletivas e comunitárias de produção de circulação e de consumo da riqueza social produzida. É aqui que conceito de desenvolvimento local e cidadania ativa se complementam. Ou seja, a mudança social no quadro de desigualdade, de exclusão, só vai acontecer se nós ativarmos e praticarmos a cidadania ativa e o desenvolvimento local”, reiterou Evangelista.

Após a palestra, os participantes foram divididos em grupos focais, momento em que puderam interagir uns com os outros e apontar demandas e propor sugestões quanto a capacitações necessárias aos municípios. “Cursos para gestores e servidores nas áreas de Gestão de Pessoas, Finanças Públicas, Atendimento ao Público, Documentos Oficiais, Práticas de Oratória e Falar em Público”, recomendou Emanuela Costa, da Secretaria de Assistência Social de Grossos.

A secretária municipal de Cultura e Turismo de Alto do Rodrigues, Jully Rocha, citou algumas demandas da região. “Elaboração de Projetos; qualificação para o turismo local; qualificação para bibliotecários; métodos de pesquisa de campo, coleta de dados; organização de acervo museólogo; tombamentos de bens materiais e imateriais; capacitação para garçons, atendentes; para microempreendedor artesanal; cursos na área de Gestão de pessoas”, listou.

“Paraú precisa de cursos voltados para o esporte, capacitações no setor de Saúde, cursos para atendimento ao público, pós em Gestão Pública”, relatou o servidor Edgley Xavier.

“Proponho cursos sobre gestão de instituições de ensino na perspectiva inclusiva. Trabalhar a inclusão escolar é um dos vieses da gestão e sentimos muito a ausência do domínio do básico quanto a esta política diante de nossos gestores escolares, mesmo sendo professores”, sugeriu a servidora de Macau, Márcia Adriana.

“Como educadora, acho muito importante que o Governo do Estado ofereça capacitação para educadores, gestores e secretários nas Tecnologias de Comunicação e Informação (TICs), a fim de promover uma melhor integração digital e otimização de serviços através da tecnologia”, contribuiu Francinalda Louise.

Servidora da Emater em Porto do Mangue, Maria Patrícia propôs os seguintes cursos para a região: “Informática Básica para funcionários e população em geral; Boas práticas e manejo na produção de alimentos, beneficiamento de pescados e produtos do mar; Educação Ambiental para os pescadores; turmas de cursos básicos de Agroecologia na zona rural; cursos para empreendedorismo rural e urbano”.

A Escola de Governo vai sistematizar essas e todas as demais proposições apresentadas para, posteriormente, submeter as propostas de capacitação para os municípios.