Header Ads Widget

728x90cm-CELULAR

Governo e Pfizer assinam acordo para compra de 100 milhões de doses


Saúde já adquiriu, ao todo, 200 milhões de doses da farmacêutica, que devem ser entregues até dezembro

O Ministério da Saúde e a farmacêutica Pfizer assinaram o contrato para a compra de 100 milhões de doses da vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo laboratório em parceria com a BioNTech. A aquisição dos imunizantes já havia sido anunciada pelo governo, mas o contrato foi oficializado nesta 6ª feira (14.mai).

Com o novo acordo, o Brasil chega à contratação total de 200 milhões de doses de vacinas da Pfizer até o fim deste ano. A previsão é de que os imunizantes desta segunda compra cheguem ao país entre setembro e dezembro.

"O Ministério da Saúde tem feito um esforço para obter mais doses e assim imunizar a população brasileira. O objetivo do Ministério é, até o final do ano, ter esse público todo vacinado. Hoje assinamos o contrato com a Pfizer de mais 100 milhões de doses de vacina. Com esse esforço, temos a confiança que vamos conseguir atingir essa meta", disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ao anunciar a consolidação do acordo.

"Estamos muito felizes em celebrar esse acordo adicional e, assim, ampliar nosso apoio à imunização de milhões de brasileiros", acrescentou a presidente da Pfizer Brasil, Marta Díez

O outro contrato com a farmacêutica foi firmado em março e previa também a compra de 100 milhões de doses do imunizante. O primeiro lote, com 1 milhão de doses, chegou ao país em abril. A previsão é de que, até o fim de maio, sejam entregues mais 2,5 milhões e outros 12 milhões em junho. O restante deve ser entregue de forma escalonada até setembro.

CPI

Na 5ª feira (13.mai), em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, o o gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, revelou que o governo federal rejeitou seis ofertas para aquisição de vacinas até fechar o primeiro contrato com a farmacêutica. Segundo Murillo, as negociações começaram em maio de 2020 e a primeira proposta foi oficializada em agosto do ano passado.