» » » » Não há como negar: Tulio é corajoso

Não há como negar: Túlio é corajoso.

Notificado no dia 04/12 para comparecer dia 05/12 pra prestar contas de 11 (?) Meses de governo e detalhar cada gasto, contrato e centavo; era certo de que ele não iria ou não estaria pronto nesta data, ninguém iria.

É humanamente impossível reunir todas essas informações, preparar e pessoalmente expo-las em uma espécie de sabatina legislativa na frente de 13 vereadores e centenas de pessoas.

Todos sabiam disto, mas isto não era problema, pois a intenção ao chamá-lo nunca foi esclarecer.

A intenção - que só se revelou ao longo do dia - era levar Túlio ao olho do furacão, de uma multidão inflamada pela oposição (que fez convocação massiva e constante pro "Circo"), ávida por "justiça com as próprias mãos" e que assim pudesse alí através das mãos do povo conseguir seu objetivo, que era cravar com violência o ponto mais alto - ou mais baixo - do desgaste do governo Túlio Lemos.

Como tem acontecido por todo o Brasil.

A questão, a ira e a revolta dos que estavam alí, não é ética, não é moral, nunca foi.

Túlio não é o prefeito ladrão, é o que não pagou os salários, somente.

Não há como explicar um povo que aplaude ex-prefeitos que foram presos recentemente por roubarem o seu dinheiro ao tempo em que tenta agredir outro que vai explicar onde foi gasto cada centavo.

Se não que, esta é uma prova cabal e material de que o dinheiro, - salários neste caso em específico - interesse comum e universal em todos que vivem numa sociedade moderna, é o maior gatilho para provocar o descontrole emocional e a ira de um povo.

É como diz o provérbio popular: "Enquanto há dinheiro, há amigos"

E quando não há ?

Túlio sentiu na pele, e espero, aprendeu com isto.

Não há como deixar de mencionar também o despreparo dos vereadores (alguns) que prometiam julga-lo, esclarecer e "escancarar a verdade" para o povo mas que na verdade teve uma participação tímida, esperada e aquém do prometido.

Convocaram em tempo recorde o povo pra ver onde tava o seu dinheiro, mas na verdade era pra um apedrejamento em praça pública, contemporâneo e transmitido ao vivo pela internet.

Se Tulio não tinha números (pelo pouco tempo que teve) eles não tinham argumentos.

13 vereadores, dois grupos políticos, vários "intelectuais" colaborando e o ponto mais alto foi a violência na saída.

Promovida por bebidas alcoólicas, algazarra, agitadores e armações (como as luzes que se apagaram misteriosamente) para que tudo favorecesse a selvageria e a violência.

Fato lamentável o que ocorreu ontem em Macau.

Túlio foi macho também quando assumiu na tribuna seus erros.

Disse que errou este ano, pediu desculpas e um voto de confiança do povo pra acertar no próximo.

Disse que errou sim, tentando acertar, não se dar bem.

Tentando empregar e ajudar, acabou precisando de ajuda e desempregar.

Outra lição, que custou caro, pra ele e principalmente pro povo.

Palavras dele.

Por fim, deixo aqui meus sinceros votos de esperança de que tudo que ocorreu ontem e durante este ano, de ruim, tenha de fato ficado no passado e que a partir de janeiro as coisas comecem a mudar e que em dezembro de 2018 Túlio possa novamente prestar contas de forma mais tranquila, sensata e detalhada, diante de um povo mais tranquilo e com seu dinheiro no bolso.

Irmãos, Macau precisa de paz.

Macauense

Macauense.com.br
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta

Macauense.com.br

Política