» » » » “Fátima Bezerra destruiu a economia do Rio Grande do Norte”, afirma empresário

Macauense - O empresário Gustavo Negreiros culpou a senadora Fátima Bezerra (PT) e “seus indicados” pelos resultados que foram divulgados neste domingo 12 por Aldemir Freire, chefe da Unidade Estadual do IBGE no estado potiguar, nas redes sociais: o Rio Grande do Norte foi o estado com os piores índices da indústria do Nordeste entre 2002 e 2014 – época em que o PT governava o Brasil.
Nos gráficos publicados pelo IBGE, o RN aparece como lanterna nos índices da indústria do Nordeste entre 2002 e 2014, apresentando, em alguns setores, retração. Conforme os gráficos, o Rio Grande do Norte cresceu cinco vezes menos do que o penúltimo colocado (Ceará). O estado potiguar cresceu seis vezes menos do que a média nacional; 26 vezes menos que a Paraíba, e cresceu 33 vezes menos do que o Piaui, campeão nordestino, no período avaliado.
“Vou desenhar o que aconteceu com o RN entre 2002 a 2014. Órgãos fiscalizadores da União no Estado passaram a ser controlados pela então deputada Fátima Bezerra, nos governos de Lula e Dilma. Começaram a tratar empresários como bandidos, afugentaram investimentos, perseguiram, abraçaram o atraso como ideologia, chegaram ao ponto de propor a implosão dos hotéis da Via Costeira. Essa cambada destruiu a economia do RN, só quem não tinha opção investia aqui. Esse estudo é importantíssimo, demonstra o grau de hostilidade que os indicados da hoje senadora Fátima tatavam quem queria o progresso do RN”, escreveu Negreiros em seu perfil no Instagram.
 Já o chefe do IBGE, Aldemir Freire, lamentou os números e explicou o impacto que eles produzem hoje no estado. “O Rio Grande do Norte vive uma longa crise do seu setor industrial, que vai muito além da conjuntura da recessão brasileira. O gráfico mostra que entre 2002 e 2014 a indústria de transformação cresceu apenas 0,3% ao ano. Já a extrativa encolheu a uma taxa de -2,8% ao ano. Nesse mesmo período as ‘atividades financeiras, seguros e serviços relacionados’ cresceu a 6,8% ao ano; o comércio a 6,1% a.a. e as atividades de ‘eletricidade, água, esgoto e gestão de resíduos’ cresceu a 5,1%; alojamento e alimentação a 5% a.a. No contexto do Nordeste o desempenho da indústria potiguar também ficou na lanterna. No caso da extrativa em função da grande queda da produção de petróleo e gás. Mas a crise da indústria local também é grave no segmento de transformação, que ficou estagnada de 2002 a 2014″.

Macauense

Macauense.com.br
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta

Macauense.com.br