» » » Jornalista fala sobre denuncias e diz que o MP foi usado para dar credibilidade a fraudes

Macauense - A mais nova vítima da imprensa que persegue o prefeito de Macau e o seu grupo político, Tulio Lemos, o jornalista Celso Amâncio se pronunciou nas redes sociais sobre acusações disparadas contra ele por um blog da cidade. Leiam a nota na íntegra:

Na tarde desta quinta-feira, 13 de abril de 2017, fui surpreendido por notícias fabricadas e plantadas em um Blog da cidade de Macau. Sem que mereça crédito algum, tais afirmações que certamente chegaram ao blogueiro por pessoas envolvidas em atos ilícitos, que se colocam na obrigação de acusar alguém inocente, para jogar na mesma lama, em que o seu nome está submerso, a história de realização e crescimento profissional de um jornalista que tem mais de 25 anos de serviços prestados na comunicação, incluindo ai passagens por veículos de Natal, Grande Natal e Mossoró, sem máculas que o impeçam de exercer meu ofício.

Eis aqui alguns esclarecimentos, diante do exposto na mídia:

Na ânsia de atacar, sem ouvir o outro lado, o Blog começa a matéria caluniosa faltando com a verdade, quando afirma: “O Ministério Público Estadual através da 1ª Promotoria de Justiça da cidade de Macau apura possíveis irregularidades no município envolvendo o Jornalista e blogueiro Celso Amâncio...” Em consulta pública, este fato cai de água abaixo e a verdade prevalece, quando não constam nos arquivos digitais do Ministério Público do Rio Grande do Norte sequer uma investigação no meu nome de registro de nascimento ou profissional, até a presente data;     

Percebe-se nitidamente a intenção criminosa de associar meu nome ao maior escândalo de corrupção na história de Macau, que se materializou com a operação “Máscara Negra”, quando na verdade, nunca ordenei despesas relacionadas à realização do Carnaval da cidade de Macau, sendo esta função uma das atribuições do Gabinete Civil, Secretaria Municipal de Turismo e por fim, da Fundação Municipal de Cultura, tendo como parceiro nas negociatas o setor de eventos da prefeitura;

Quanto à nomeação do servidor Josemberg Gonçalves de Souza, cabe a ele esclarecer o serviço que prestava ao município e o fato de ser meu amigo não o impede legalmente de ser nomeado para assumir um cargo de assessor ou outro qualquer. Ao acusador de tal leviandade, cabe provar as transferências bancárias dos salários recebidos por este senhor para contas em meu nome ou de parentes meus e pessoas próximas, como também apresentar qualquer prova que materialize o “crime” o qual me impõe; 

Falo agora como filho, de uma mulher honrada, professora exemplar, aposentada desde 2010 pelo Governo do Estado, concursado no município de Macau e efetivado em 2005, sem favores políticos. Diferente do que diz a acusação, minha mãe se ausentou do quadro de efetivo do município, em junho de 2016, dois dias antes de ser acometida de uma trombose, que lhe deixou sequelas e lhe levou para o quadro de servidor da Previdência Social, situação que permanece até a presente data, o fato inclusive é de conhecimento de todo o corpo de docentes da Escola Municipal Lions Clube;

Diante do exposto acima, afirmo ainda categoricamente que a senhora Florisberta Felix da Silveira, hoje com 68 anos de idade, nunca recebeu carga horária extra, sem está em sala e desafio aos acusadores provarem o contrário. Como também cabem a estes inescrupulosos, provarem o caminho financeiro que percorreu qualquer vantagem legal no seu contracheque, que por ventura viesse a me beneficiar; 

Outro fato criminoso pesa na acusação, que envolve sem qualquer zelo o nome de uma respeitada instituição: o Ministério Público Estadual. Longe de mim, renegar qualquer laço sanguíneo com meu primo Marcos Reis da Silva, mas não posso admitir a associação criminosa que a matéria faz com a nossa relação;

Quem mora em Macau, sabe que Marcos Reis é professor concursado neste município e na cidade de Guamaré e nunca morou na cidade do NATAL, quando esteve afastado das suas atividades, não recebeu carga horária extra, haja vista que estava amparado por lei, para cursar um Mestrado, tendo o mesmo retornado ao quadro efetivo do município para prestar seus serviços, desta feita como psicopedagogo, lotado no NAM, é fato, uma verdade conhecida de todos os servidores da Secretaria Municipal de Educação; 

Quanto ao usufruto de serviços de alimentação e hospedagem em restaurantes caros e hotéis fora da cidade, fica um duvida no ar: qual prova material levaria o blog a uma acusação tão grave? Faltou mais uma vez com a verdade, o bom seria que recheasse tais acusações com provas, levando apenas a VERDADE ao conhecimento da opinião pública;

Outro absurdo: citar os nomes dos hotéis Souza Center, em Macau e Garbos, em Mossoró. Hospedei-me em outros hotéis e pousadas, pelo mundo afora, alguns de padrão menor, outros, muito superior, mas com recursos próprios ou na condição de convidado, um dos privilégios da minha profissão, que exerço com muito orgulho; 

Quanto à sala que servia de escritório da Prefeitura de Macau em Natal, o espaço era o usado pelo então prefeito Kerginaldo Pinto, para reuniões e despachos administrativos com secretários, assessores e vereadores. Sobre o pagamento quem deve explicação não sou, embora caiba à acusação provar o reembolso para contas minhas ou mesmo à entrega de valores em espécie de qualquer comissão pelo referido serviço, se as tem, apresente a opinião pública; 

Na matéria, existe também uma acusação caluniosa sobre o recebimento de comissões de contratação de fotógrafos, empresas de filmagens e ainda na indicação de auxiliares que ocuparam o primeiro escalão da gestão 2013/2015. O senhor blogueiro deve saber que o ônus da prova cabe a quem acusa e mais uma vez peço que se as tem, apresente;

Entre os fatos, esclareço que: se eu tinha tanta influência na gestão Kerginaldo Pinto, porque mesmo um ano e nove meses depois, quando o prefeito foi afastado pela justiça, a prefeitura ainda devia ao Sal e Brasa e a empresa de aluguéis de balões de festas, ambas citadas na matéria como supostas parceiras minhas para o crime? Essa dívida da prefeitura permanece até os dias atuais; 

Diante de tantos absurdos, outro fato me chamou atenção, quando a matéria afirma que eu privilegiava com contratos de pessoal na Prefeitura de Macau “amigos do meu interesse”. Peço que o senhor apresente apenas um amigo, ou um familiar meu que tenha contrato ou vinculo em cargo comissionado em toda gestão 2013/2016. Muito pelo contrário, nesse período estiveram desempregados dois irmãos meus, e nem por isso, usei a amizade pessoal com o gestor para beneficiar os dois parentes mais próximos que tenho, depois de meu pai e minha mãe;

Por fim, estou à disposição do Ministério Público e da sociedade macauense, da imprensa, dos homens e das mulheres de bem, a quem somente devo o respeito, para quaisquer esclarecimentos sobre a minha passagem como servidor do povo macauense. Sei os que estão por trás de tudo isso e o que muitos destes senhores fizeram, quando passaram pela Prefeitura de Macau, inclusive, levarei ao Ministério Público provas concretas de chantagens que recebi com essa peça montada, mas não me dei por vencido, nem me calei. 

Sigo em paz e com Deus no coração, mas não posso deixar de dizer aos senhores que todas as medidas serão tomadas para esclarecimento da verdade e a responsabilização cível e criminal do dito blogueiro.  

Macau, 13 de abril de 2017

Celso Amâncio

“Assim, mantenham-se firmes, cingindo-se com o cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça”. Efésios 6:14.


Macauense

Macauense.com.br
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta

Macauense.com.br