» » » A FARSA DO CARNAVAL DE MACAU



Macauense - Nos últimos dias, o assunto que tomou conta das conversas na Terra das Salinas foi: Vai ter ou não o Carnaval de Macau? A pergunta ...de todos é motivada pelo fato de que o prefeito interino, Einstein Barbosa, tem sempre falado em crise, sinalizando que a realização do Carnaval gastaria muito dinheiro e que isso iria contrariar as orientações do Ministério Público.

 
Em função dessa atmosfera de crise financeira que foi criada pelo prefeito, boa parte da população se viu diante de uma escolha: Carnaval ou saúde melhor? Carnaval ou pagamento dos contratados? Naturalmente que qualquer pessoa, em sã consciencia, jamais vai escolher entre um benefício como a melhoria da saúde ou pagamento de servidores ou a realização de uma festa. Mas isso tudo não passa de uma farsa.

A farsa é que não é preciso fazer essa escolha. Há dinheiro suficiente para pagar ao pessoal que trabalhou e realizar o Carnaval; há dinheiro suficiente para abastecer as unidades de saúde e realizar o Carnaval.

O prefeito Einstein Barbosa assumiu o cargo no dia 13 de novembro de 2015. De imediato, anunciou que não iria pagar a nenhum fornecedor, o que parece que foi feito. Digo parece, pois o portal da transparência está fora do ar desde que o prefeito assumiu, o que impede que sejam visualizadas receitas e despesas do município.

Pois bem. A receita média de Macau gira em torno de R$ 6 milhões por mês. Com o afastamento do prefeito Kerginaldo Pinto, o que assumiu a gestão passou a administrar a receita de novembro, somada à de dezembro e aos primeiros dias de janeiro, cuja parcela inicial irá ser depositada na segunda-feira, dia 11. Portanto, uma conta simples pode revelar que o prefeito interino Einstein Barbosa teve ou tem na conta da Prefeitura, mais de R$ 12 milhões e vai fechar o mês de janeiro, antes do Carnaval, com quase R$ 20 milhões.

Como ele não pagou a nenhum fornecedor, não pagou aos contratados e demitiu quase 200 cargos comissionados, é possível deduzir que a folha de pagamento foi diminuída e há muito dinheiro em caixa.

Em sua primeira entrevista na 94 FM, o prefeito disse que o valor da folha do funcionalismo ficava em cerca de R$ 3 milhões por mês. Portanto, fica claro que, mesmo pagando aos servidores e aos contratados, ainda sobra muito dinheiro para bancar o Carnaval.

Porém, é preciso que o Carnaval seja realizado com seriedade e com preços dentro da realidade, bem diferente dos carnavais que o atual prefeito participou como auxiliar das gestões e estavam todos superfaturados. Se quiser fazer a coisa certa, com seriedade e transparência, é possível fazer o Carnaval sem esquecer das demais demandas da cidade.

Mas, o Carnaval do atual prefeito não começa bem. Para privatizar o lazer do macauense no largo da folia, o prefeito publicou um edital no feriado nacional do 1º de janeiro; o Diário Oficial da Prefeitura só iria circular na segunda-feira, dia 4, o primeiro dia útil do ano. O problema é que o edital estabeleceu um prazo impossível de ser cumprido por qualquer empresa. Ficou estabelecido apenas a metade do expediente do dia 4 para que os interessados apresentassem “proposta, projeto e plano de viabilidade econômica”. Ou seja: Como uma empresa iria ler o edital na manhã da segunda-feira e, sem maiores detalhes, apresentar um projeto, uma proposta e um plano de viabilidade econômica em poucas horas?

Ficou muito claro que o prefeito não queria uma competição; ficou muito parecido com um jogo de cartas marcadas, gerando um odor não muito agradável à seriedade.

Outro ponto que merece ser abordado é que o prefeito joga sobre os ombros do Ministério Público, toda a responsabilidade que ele não quer assumir. Disse que iria aguardar uma posição do MP para decidir algo sobre o Carnaval, mas o edital relâmpago não teve como esperar pela avaliação do Ministério Público. Muito estranho.

Minha posição sobre o Carnaval é essa: Sem a farsa de que não há dinheiro na Prefeitura, desde que não haja superfaturamento, é possível fazer o Carnaval, uma festa tradicional que gera renda para uma série de atividades e receita para o Município.

Se fosse verdade que a Prefeitura não dispõe dos recursos e seria preciso escolher entre a festa e as demais demandas, eu também ficaria contra a realização do Carnaval.

Porém, está claro que o prefeito está fazendo caixa e usando a crise como pretexto para não realizar o Carnaval. Dessa forma, acho que o povo deve cobrar a realização do Carnaval e o prefeito ser transparente com as finanças públicas.

Que Deus abençoe a todos,

Tulio Lemos

08.01.2016
 





Macauense

Macauense.com.br
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta

Macauense.com.br