» » » Cláudia Regina é afastada e vice-presidente da Câmara Municipal assume Prefeitura de Mossoró

Uma notícia de cassação da prefeita de Mossoró, Cláudia Regina, do DEM, não é novidade. Afinal, ela já foi cassada outras duas vezes só este ano. A novidade é que, na tarde de ontem, a juíza da 34ª zona eleitoral, Ana Clarisse Arruda, determinou não só a perda do mandato da chefe do Executivo municipal e do vice-prefeito, Wellington Filho, do PMDB, como decidiu também que isso teria efeito imediato. Ou seja: Cláudia Regina, na manhã de hoje, já não responde pela Prefeitura e ficará assim até que seja realizada uma nova eleição na cidade, onde ela não poderá concorrer por estar inelegível por oito anos.
Pelo menos, era essa a situação até o fechamento desta edição d’O Jornal de Hoje. A Justiça Eleitoral já havia notificado Cláudia Regina e Wellington Filho da decisão, afastando-os do cargo e, também, determinado à Câmara Municipal de Mossoró a posse imediata do chefe do Legislativo no cargo de prefeito até a realizada da nova eleição. “O presidente da Câmara, Francisco José Júnior (PSD), está viajando, então foi notificado o responsável pela Casa naquele momento, que era o vice-presidente Alex Moacir (PMDB). A Câmara ainda não se manifestou sobre o assunto, mas a decisão tem efeito imediato”, afirmou, por telefone, um servidor da 34ª zona eleitoral.
Claro que não foi fácil encontrar o vereador peemedebista que é, inclusive, do mesmo partido do vice-prefeito de Mossoró e apoiador da gestão de Cláudia Regina. Segundo relatos de fontes mossoroenses, vários vereadores “sumiram” na manhã de hoje, já com o intuito de não serem notificados e a Câmara não ter a obrigação de, imediatamente, cumprir a cassação.
Até porque, enquanto não marca a posse do novo prefeito, a Câmara dá tempo para que a defesa de Cláudia Regina recorra da decisão (no Tribunal Regional Eleitoral) e entre com uma liminar para que seja suspensa a sentença e ela possa responder ao recurso no cargo de prefeita.
“Esse afastamento imediato foi consequência do tipo da ação. Nas outras duas vezes que foi cassada, Cláudia Regina respondia a uma AIJE (Ação de Investigação Judicial Eleitoral). Agora foi diferente. Foi uma representação contra conduta vedada”, ressaltou o advogado Marcos Araújo, da coligação que foi encabeçada pela deputada Larissa Rosado e que foi derrotada para Cláudia Regina na última eleição. Araújo foi o autor da representação.
Como se tratou de outro tipo de ação, o efeito é imediato e a decisão – de afastamento da prefeita, inelegibilidade dela por oito anos, posse do presidente da Câmara e realização da nova eleição – não precisa, como nas AIJEs, ser confirmada no TRE. “Foram várias condutas vedadas consideradas, entre elas, principalmente, a utilização do avião oficial do Governo para levar a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) para várias viagens à Mossoró para participar da campanha”, afirmou Marcos Araújo, ressaltando que a decisão “já era totalmente esperada”.
É importante lembrar que os abusos de poder econômico e político na campanha de Mossoró não chegam a ser, necessariamente, novidades. A prefeita Cláudia Regina já foi cassada três vezes pelo mesmo assunto. A única diferença é que, desta vez, a autora da decisão foi Ana Clarisse e não o juiz Herval Sampaio, que já cassou a prefeita duas vezes, pelos mesmos motivos.


 








As Melhores Ofertas aqui

Macauense

Macauense.com.br
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta

Macauense.com.br