Senador José Agripino acredita que Rosalba Ciarlini está inviabilizada para tentar a reeleição

Restando um ano e sete dias para as eleições de 2014, a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) ainda não decidiu se será candidata à reeleição. Entretanto, com reprovação acima dos 80%, segundo a última pesquisa Consult, a possibilidade de ela vir a disputar a reeleição é vista como algo improvável – embora não impossível.
Neste sentido, os próprios políticos já emitem sinais, diretos e indiretos, de que estariam “abandonando o barco” rosalbista. Sinal forte neste sentido, recentemente, foi o rompimento do PMDB com o governo. Os líderes peemedebistas Henrique e Garibaldi Alves já decidiram, inclusive, que o partido terá candidato próprio nas eleições de 2014.
No último final de semana, foi a vez do líder nacional do DEM, partido de Rosalba, José Agripino Maia, anunciar que não vê chances de a governadora disputar a reeleição de 2014, uma ameaça ao projeto de candidatura à reeleição da governadora. No entanto, Agripino colocou uma condição para que Rosalba dispute a reeleição: ter o apoio do PMDB.
A informação foi veiculada pela coluna do jornalista Claudio Humberto, que disse: “Presidente do DEM, o senador José Agripino não vê chance de a governadora Rosalba Ciarlini disputar reeleição em 2014, a não ser que ela consiga costurar ampla aliança, com apoio do PMDB”. Até o final da manhã de hoje, a reportagem tentou falar com o senador José Agripino, mas não conseguiu e nem o presidente do DEM havia desmentido a nota do colunista.
 
DIFICULDADES
Devido à falta de apoio popular, escasseiam os apoios políticos ao governo Rosalba. Nesse contexto, há forte preocupação quanto ao futuro do DEM no RN. A ideia é que, não dando para salvar o mandato da governadora, que o DEM busque resguardar ao menos os demais mandatos que tem: hoje o DEM tem dois deputados federais e três estaduais.
Eleita por uma ampla aliança que incluía, além do DEM, o PMDB, o PR, o PV, o PMN, o PSD, o PSL e outras legendas, Rosalba Ciarlini terminou cedendo na sua base e vários partidos abandonam o barco. Primeiro foi o vice-governador Robinson Faria (PSD), que deixou o governo ainda no final do primeiro ano de gestão, em 2011.  Em seguida, foi o PV, presidido no estado pelo senador Paulo Davim, que também deixou o governo, rompendo em 2012. Na sequencia, em julho passado, o PMDB, dos líderes Garibaldi e Henrique, afastou-se do governo. Mais recentemente, o PSL, do ex-diretor do PROCON Araken Farias, também deixou o barco governista.
Apenas PMN e PR acompanham o DEM no apoio ao governo. Seria improvável que o DEM apoiasse a candidatura à reeleição da governadora com tão poucos apoios. Seria “suicídio político”, com a exterminação dos mandatos legislativos.
 
Dúvida é se Rosalba teria legenda para disputar
No seio governista, discute-se, porém, a possibilidade de Rosalba disputar a reeleição. O PR, do deputado federal João Maia, seduzido por cargos e pela verba pública que eles representam, já teria mudado de planos e decidido permanecer no governo após a saída do PMDB. O PMN do deputado Ricardo Motta, que traz a tiracolo o PP, presidido no RN pelo vereador Rafael Motta, seu filho, também permaneceria na base governista. Na verdade, há quem aposte que esses partidos também evacuarão o governo, bastando para tanto que a gestão continue ladeira abaixo como está – segundo os levantamentos.
Por isso, permanece a dúvida: se, com o apoio desses partidos apenas, o senador José Agripino, que detém o controle da máquina partidária do DEM, “daria” a legenda para a governadora, correndo forte risco de prejuízo político. É válido lembrar que a relação política entre Agripino e a governadora Rosalba Ciarlini não é das mais amistosas desde há algum tempo, quando ele cobrou uma postura oposicionista dela em relação ao governo federal e Rosalba, pensando no seu governo estadual, adotou o discurso “republicano” difundido pela presidente Dilma Rousseff e seus correligionários no Estado.
Terminou entrando para história a desfeita de Rosalba a Agripino, quando da negativa dela em participar da propaganda política do DEM criticando o governo do PT. A governadora preferiu ficar fora, desagradando ao democrata, tentando fazer a política de governadora domesticada do Palácio do Planalto, de quem depende para obter recursos federais. Nessa linha, Rosalba chegou a acenar, publicamente, com a possibilidade de votar em Dilma na reeleição em 2014, “se Dilma for o melhor para o Brasil”. A postura da governadora azedou a relação política com José Agripino, que se afastou temporariamente da gestão.
 


 








As Melhores Ofertas aqui
Senador José Agripino acredita que Rosalba Ciarlini está inviabilizada para tentar a reeleição Senador José Agripino acredita que Rosalba Ciarlini está inviabilizada para tentar a reeleição Reviewed by Macauense on 9/24/2013 06:51:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Macauense.com.br

PUBLICIDADE

Image Link [] Facebook Username [#] Twitter Username [#] Whatsapp username [#] Instagram Username [#] GPlus Username [#] Pinterest Username [#]