Ministério Público Eleitoral pede cassação de vereador eleito no interior

O Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) ajuizou representação por compra de votos, a chamada captação ilícita de sufrágio, contra o vereador eleito Acácio Emanuel de Oliveira Barbosa (PSD), da cidade de Pedro Velho, a 78km de distância de Natal. Documentos encontrados em posse do então candidato e depoimentos de eleitores apontam a troca de bens e valores por votos, durante a última campanha. Se julgada procedente a ação, Acácio Emanuel pode ter cassado o registro ou diploma de vereador.

De acordo com a representação, assinada pela promotora que atua junto à 61ª Zona Eleitoral, Danielli Christine de Oliveira Gomes, em 27 de setembro foi recebida uma denúncia anônima a respeito de possível distribuição de bens por parte do então candidato a vereador, no conjunto Portelinha. A representante do MP Eleitoral compareceu ao local e se deparou com vários documentos suspeitos no carro e no bolso de Acácio Emanuel.

Os documentos exibidos pelo candidato, à primeira vista, evidenciavam fortes indícios de compra de votos realizada durante a campanha. Dentre eles, havia exames médicos de várias pessoas, cartão do SUS, além de um caderno de anotações registrando valores pagos a diversos cidadãos (havendo referência, em alguns casos, aos bens doados a cada um, tais como próteses, carteira de motorista, motor, porta, pagamento de exames médicos diversos etc.).

Ouvido, Acácio Emanuel negou a compra de votos e declarou que as anotações se referiam a negócios de seus familiares, sobre os quais não tinha conhecimento. Porém, alguns dos eleitores citados nos documentos confirmaram o recebimento de bens em troca de seus votos, incluindo portas e dinheiro em espécie para pagamento de exames. No caderno de anotações, havia ainda referência a RNM da coluna, neuro, prótese, medicamento, vista e carteira, constando também o nome dos eleitores, outro número registrando possivelmente o número de votos obtidos por cada um e “OK” em algumas das anotações.

De acordo com a legislação eleitoral, a captação ilícita de sufrágio é caracterizada quando o candidato doa, oferece, promete, ou entrega, ao eleitor, bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza, em troca do voto. A representação do MP Eleitoral requer, além da cassação do registro ou diploma, uma multa de 50 mil Ufir e a inelegibilidade de Acácio Emanuel pelo prazo de oito anos.







Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.




Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

As Melhores Ofertas aqui
Ministério Público Eleitoral pede cassação de vereador eleito no interior Ministério Público Eleitoral pede cassação de vereador eleito no interior Reviewed by Macauense on 11/28/2012 10:32:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Macauense.com.br

PUBLICIDADE

Image Link [https://lh3.googleusercontent.com/-wlvSkBWGUW0/AAAAAAAAAAI/AAAAAAAAAxU/6FpWSjn-h2o/s120-c/photo.jpg] Author Name [Sora Templates] Author Description [Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry's standard] Facebook Username [#] Twitter Username [#] GPlus Username [#] Pinterest Username [#] Instagram Username [#]