Garibaldi afirma que PT nacional quer PMDB aliado a partidos contra o DEM


O PT quer que os partidos que apoiam a presidente Dilma Rousseff (PT) estejam num mesmo palanque nas eleições de 2014. A informação foi revelada na manhã deste sábado pelo ministro da Previdência, Garibaldi Alves Filho (PMDB), em entrevista ao Jornal de Hoje. O ministro disse que em recente encontro no Palácio da Alvorada, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que estava na hora de PT e PMDB estreitarem o relacionamento nos estados. Na prática, isso significa que no Rio Grande do Norte, o PMDB será constrangido a deixar a aliança com a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) e se aliar a legendas da base de Dilma, como PT, PSB, PSD, PDT, PC do B e outros. Segundo Garibaldi, a declaração de Mercadante não foi necessariamente voltada para o Rio Grande do Norte.
 
Ele afirmou também que não se tratou de uma cobrança do Palácio do Planalto. “Aloizio Mercadante, na reunião do PMDB com o PT no Palácio da Alvorada, com a presença da presidenta Dilma, fez uma intervenção dizendo que era hora de pensar numa maneira de estreitar nos estados o relacionamento do PT com o PMDB, tendo em vistas as eleições de 2014″, explicou Garibaldi ao Jornal de Hoje. Segundo o ministro, a presidente Dilma Rousseff não chegou a falar sobre o tema. “A presidente não deu uma palavra e ninguém comentou porque achou que não era hora de comentar isso. Não houve nada formal, nenhuma articulação política do governo”, declarou Garibaldi, um tanto preocupado com a repercussão desta informação, revelada ontem pela jornalista e blogueira Thaisa Galvão.
 
Em entrevista publicada no blog, o ministro da Previdência afirmou que, para as eleições de 2014, deverá haver uma “cobrança natural de cima para baixo” e acrescentou: “Na última reunião-jantar no Palácio da Alvorada, com presença da presidente Dilma, o ministro Aloizio Mercadante andou levantando essa questão. Mas não só em relação ao Rio Grande do Norte. Ele disse ‘vamos ver se nos estados as relações serão mais compatíveis, mais homogêneas com o Planalto. Como o PMDB com o PT’.
 
Eu não sei em outros estados como está, mas Aloizio levantou isso na frente de Dilma”, disse. Apesar de tratar o tema com delicadeza, Garibaldi tem consciência de que o Rio Grande do Norte é o único estado do país que é governado pelo DEM, partido de oposição ao governo federal. Como tal, será um dos que sofrerão a interferência do poder político central nas eleições de 2014. Ainda sobre 2014, o ministro revelou que não será candidato a governador, conforme foi ventilado por peemedebistas em recente reunião do partido. “Eu acho que por isso aí não posso me responsabilizar.
 
Se pelo menos eu tivesse disposição de oferecer meu nome. Como é que eu vou antecipar um debate como esse se eu não vou disponibilizar meu nome?”, respondeu o ministro, ao ser questionado sobre a possibilidade de ser candidato. Entretanto, o ministro defendeu que o PMDB lance candidato próprio a governador do Rio Grande do Norte. Ele salientou, entretanto, que o ideal é isso acontecer se houver um nome competitivo na legenda. “Eu acho que o ideal seria isso, ter um candidato próprio ao governo.
 
Mas a gente não pode correr o risco de ter candidato próprio sem ter um candidato forte, viável. Porque a autoestima vai lá pra cima e depois o resultado não corresponde. Mas, como eu disse, eu não quero antecipar esse assunto porque não vou oferecer meu nome”, afirmou. “Não é que eu não queira ser governador porque não sei nem se seria eleito. Eu não quero mais ser candidato. Eu já passei por isso e não quero mais”, completou o ministro na conversa com Thaisa.
 
FUTURO
 
Em entrevista ao Jornal de Hoje, na semana passada, o ministro havia adiantado que até o momento não recebera qualquer cobrança da parte do Planalto relacionada a 2014. “Já respondi: até agora, não houve nenhuma cobrança sobre isso. A única coisa que houve foi essa colocação de Aloizio. Ninguém me procurou do governo para dizer, olhe ministro, em 2014 etc. e tal. Não, isso não aconteceu”, salientou. “Não vamos entrar na futurologia. Deixe as coisas acontecerem. Deixe as coisas se tiverem de acontecer, acontecer. Não quero mais dar desdobramento a isso. Fiz a minha parte, levantando o problema. Não quero botar isso debaixo do tapete, mas não vou alimentar mais isso. Gosto muito de Rosalba, mas não quero ficar insistindo num negócio que não depende só de mim. Não quero polemizar (sobre candidatura de reeleição da governadora). Aguardar os acontecimento, e a própria reunião do PMDB”, finalizou o ministro.
 
PRESSÃO
 
Se em cima existem pressões confirmadas contra a manutenção da aliança entre PMDB e DEM no Rio Grande do Norte, nas bases, isto é, no próprio estado, motivos para um rompimento é o que não faltam. Enquanto no Planalto as conversas são de alinhamento do PMDB com o PT, partido da presidente Dilma Rousseff, no estado sobram queixas generalizas de peemedebistas à falta de articulação do governo estadual. Segundo o líder do PMDB na Assembleia, deputado Walter Alves, a falta de habilidade do governo em articular com os partidos da base de apoio político gerou um distanciamento do partido em relação ao governo. Além disso, o desgaste do governo, que contabiliza desaprovação elevada em diversas regiões, especialmente em Natal, teria prejudicado diversas candidaturas do PMDB nos municípios. Em contrapartida, maior aliado na Assembleia Legislativa, com cinco deputados, o PMDB ocuparia pouco espaço na gestão Rosalba Ciarlini. Para completar, o ministro da Previdência, Garibaldi Filho, principal aliado de Rosalba, seria um dos mais desprestigiados pelo governo. Apenas uma secretaria (SETHAS) foi entregue para indicação do peemedebista, e diversos casos de desprestígio político por desatenção do governo teria azedado a relação. Em que pese Garibaldi, publicamente, anunciar gostar muito da governadora, a administração carece de quadros experientes e peca pelo amadorismo.
 
 


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.



Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

As Melhores Ofertas aqui
Garibaldi afirma que PT nacional quer PMDB aliado a partidos contra o DEM Garibaldi afirma que PT nacional quer PMDB aliado a partidos contra o DEM Reviewed by Macauense on 11/24/2012 10:04:00 PM Rating: 5

Nenhum comentário

Macauense.com.br

PUBLICIDADE

Image Link [] Facebook Username [#] Twitter Username [#] Whatsapp username [#] Instagram Username [#] GPlus Username [#] Pinterest Username [#]